Ecoa: Portal reúne dados sobre eficiência energética

Matéria publicada no site Ecoa em 17 de dezembro de 2018. Publicado em 01/Jun/2019 às 13h08

Matéria publicada no site Ecoa em 17 de dezembro de 2018. Acesse o texto original aqui.

Via Agência FAPESP


Um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em conjunto com outras universidades, ONGs e empresas, está envolvido na construção de um Portal Brasileiro de Indicadores de Eficiência Energética (PBIEE).
Segundo o Jornal da Unicamp, o endereço tornará disponível para toda a sociedade – consumidor, concessionárias de energia, indústria e governo – informações sobre os meios eficazes e projetos mais aderentes que estão sendo implantados, finalizados ou em andamento no Brasil sobre eficiência energética.
A ideia do portal é reunir informações sobre programas e projetos de eficiência energética, como o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), os programas mandatórios das distribuidoras regulados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), etiquetagem e outros, para acompanhar os progressos na área de eficiência energética no país.
Segundo os organizadores, o objetivo é produzir indicadores e análises de eficiência energética a partir de uma base de dados, de forma que o portal se torne uma referência nacional no tema, uma vez que ainda não existe nada similar que permita monitorar os instrumentos de política pública existentes.
De acordo com Gilberto de Martino Jannuzzi, coordenador do projeto e professor da Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM) da Unicamp, esse tipo de informação é de grande importância para o consumidor porque, além de fiscalizar o setor, permite avaliar o seu gasto com determinados equipamentos, mensurar a eficiência desses aparelhos e qual o seu impacto na economia do país, além de conhecer quais os melhores programas e projetos que estão sendo desenvolvidos no Brasil em eficiência energética.
“O consumidor poderá também comparar o número de empregos gerados com eficiência energética e outros tipos de energia, saber se os programas da concessionária da sua região estão trazendo resultados positivos e quais são as barreiras existentes na implementação de determinado projeto. É uma forma simples e mais objetiva de prestar contas ao consumidor sobre como o seu dinheiro está sendo investido e o quanto a eficiência energética impacta no seu bolso”, disse Jannuzzi, que também é membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais.
Além dos diversos formatos de arquivos, como planilhas, tabelas, gráficos e infográficos, o usuário do portal terá acesso a análises realizadas pela equipe do projeto como, por exemplo, quais os melhores programas de iluminação que estão sendo realizados no país, além de contar com a opção de cruzar dados e informações para obtenção das suas próprias análises. Os dados são públicos e poderão ser baixados pelos usuários.
De acordo com Jannuzzi, o portal terá papel fundamental como instrumento de apoio para a coalizão em eficiência energética entre várias organizações com interesses afins, como o Instituto Nacional de Eficiência Energética (Inee), o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) e Transparência Brasil, entre outras.
Por isso, o espaço será muito bem delineado e dividido, sendo um voltado exclusivamente para o consumidor, que poderá verificar o investimento em função da energia economizada por tipo de uso final, permitindo observar o desempenho de cada distribuidora, e outro para os pesquisadores e especialistas da área de energia que poderão, no caso de empresas, conhecer melhor o mercado e os diferentes hábitos dos consumidores.
Para as instâncias de governo, as informações poderão auxiliá-las nos mecanismos de políticas públicas e no seu exercício de planejamento energético para o país; no caso das concessionárias, permitirá que elas invistam em projetos mais focados, específicos.
“Nessa primeira fase, estamos levantando os dados dos projetos finalizados e aprovados pela Aneel dos programas de eficiência energética das distribuidoras realizados entre 2008 e 2013. Serão ao menos 384 projetos”, disse Rodolfo Dourado Maia Gomes, da International Energy Initiative (IEI Brasil), idealizadora e executora do portal.
A próxima fase do projeto compreende, além da arquitetura do portal, o trabalho com esses dados e a obtenção de algumas análises, entre as quais o impacto social e econômico na comunidade onde determinado projeto foi desenvolvido e implantado, quais os resultados desses programas em uma região geográfica específica, qual o seu desempenho em determinada região, se deram resultados positivos, o que deu errado, e como foi a fiscalização.