Conferência Internacional sobre Eficiência Energética termina hoje: confira trabalhos já publicados

Publicado em 06/Nov/2019 às 16h19 Atualizado em 21/Nov/2019 às 10h09

Por Gabrielle Adabo

Termina hoje (08/11/2019) a décima edição da Conferência Internacional sobre Eficiência Energética em Aparelhos Domésticos e Iluminação - em inglês: International Conference on Energy Efficiency in Domestic Appliances and Lighting (EEDAL’19). A conferência, que teve sua primeira edição em 1997 e atualmente acontece com frequência bienal, foi realizada este ano na cidade de Jinan, na China. Durante três dias (de 6 a 8/11) de conferência foram realizadas sessões plenárias e paralelas, com a participação de acadêmicos, representantes do governo, de empresas e de outras organizações, para discutir temas ligados à eficiência energética residencial.

"A EEDAL é um evento importante para a eficiência energética. Ela se tornou um evento especializado em equipamentos eletrodomésticos e também analisa questões relacionadas com políticas e regulação. A EEDAL sempre reúne as pessoas mais importantes na área de eficiência energética. Tanto lideranças acadêmicas como a iniciativa privada têm prestigiado esse evento", analisa o diretor do International Energy Initiative - IEI Brasil e representante brasileiro do Comitê Internacional do EEDAL Gilberto De Martino Jannuzzi.

O evento deste ano foi organizado pelo Instituto Nacional de Padronização da China (China National Institute for Standardization - CNIS) com a supervisão científica do Joint Research Centre (JRC) da Comissão Europeia. De acordo com a descrição da EEDAL’19 disponibilizada no site da European Energy Efficiency Platform (E3P), plataforma gerenciada pelo JRC da Comissão Europeia (acesse aqui), a conferência deste ano teve como foco "discutir e debater os mais recentes desenvolvimentos em impacto ambiental e energético das famílias, incluindo eletrodomésticos, equipamentos de iluminação, aquecimento e refrigeração, eletrônicos, medidores inteligentes, comportamento do consumidor e políticas e programas", além de questões como o acesso à energia nos países em desenvolvimento.

"Este ano, a EEDAL teve muita ênfase em refrigeração e em aparelhos de refrigeração. O segundo tópico principal da EEDAL foram os programas de padrões e etiquetagem (S&L - Standards and Labeling, em inglês) nos países em desenvolvimento, com diversas apresentações de especialistas do CLASP (Programa de Padrões de Etiquetagem e Dispositivos Colaborativos). A aplicação da S&L também foi outro tópico importante discutido", resume Paolo Bertoldi, do JRC da Comissão Europeia, ao comparar o evento deste ano com os dos anos anteriores.

A participação na EEDAL para os pesquisadores também é possível por meio da publicação de papers, que são reunidos nos anais do evento. Para a EEDAL’19, os temas dentro dos quais era possível submeter trabalhos foram divididos em dois grandes grupos: tópicos relacionados ao comportamento do consumidor, políticas e programas (dentre os quais estão tópicos como política global de mitigação das mudanças climáticas, estratégias para aumentar a eficiência e padrões e etiquetas) e tópicos relacionados a tecnologias específicas (como eletrodomésticos/artigos brancos e iluminação residencial). De acordo com a organização do evento, os anais do EEDAL’19 serão publicados apenas no ano que vem.

Enquanto isso, é possível consultar os trabalhos que fizeram parte da edição anterior do evento, realizada em 2017. A publicação está disponível para download em quatro partes (acesse aqui), em inglês. Dentre os trabalhos, há contribuições brasileiras. O artigo "Impactos econômicos da implantação de diferentes tecnologias de bateria e preço da eletricidade no tempo de uso em um edifício comercial brasileiro" (Em inglês: Economic impacts of deploying different battery technologies and a time-of-use electricity pricing in a Brazilian commercial building) foi publicado pelo diretor do IEI Brasil Gilberto Jannuzzi e por Izana Vilela e Luan dos Santos, então pesquisadores do IEI Brasil.

"O artigo analisa a viabilidade econômica da aplicação de diferentes tipos de baterias para suprir a demanda de um prédio comercial. O aspecto original desse artigo estava na possibilidade de usar apenas o sistema de armazenamento para fornecer eletricidade ao prédio, sem um sistema de geração acoplado. No caso, a bateria seria carregada durante o período fora de ponta (quando a tarifa é mais barata) e a energia armazenada seria utilizada no período de ponta (quando a energia é mais cara)", explica a pesquisadora Izana Vilela. Segundo ela, o maior desafio do estudo foi unir aspectos técnicos, econômicos e regulatórios. "Por essa razão, o trabalho foi feito por três autores e cada um contribuiu em uma área específica da análise", diz. 

Luan dos Santos destaca possíveis conexões e benefícios do trabalho para a eficiência energética. "O emprego de estratégias de armazenamento ou de qualquer outra rota tecnológica a fim de suavizar a curva de demanda elétrica é uma medida que caminha no sentido de contribuir para a eficiência energética no sistema elétrico em geral. Isso porque desacoplar temporalmente a demanda da oferta pode melhorar o aproveitamento de recursos presentes na infraestrutura elétrica (por exemplo, carregar baterias durante a noite, quando a demanda sistêmica é menor) e reduzir sobrecargas na rede (por exemplo, evitando fluxos de energia da rede elétrica para uma unidade consumidora em período de pico sistêmico)", explica o pesquisador.

O artigo, em inglês, pode ser lido na Parte 1 dos anais da EEDAL'17 (download aqui), das páginas 285 a 298.